fbpx

Um bom comunicador geralmente é considerado aquele que fala bem, certo?

Errado!

 

A parte verbal de uma mensagem muitas vezes é só a ponta do iceberg. Uma boa comunicação, acontece quando ouvimos muito mais do que falamos.

 

Em um mundo onde desenvolvemos tantas capacidades, deixamos para trás a mais importante para uma comunicação realmente eficaz: a de escutar.

 

Nos acostumamos a considerar o ato de ouvir como inatividade: “vim a essa reunião só para escutar, não vou falar nada”. É como se disséssemos que não temos a intenção de participar, mas ao contrário do que se pensa, ouvir é uma habilidade muito ativa, que exige uma grande energia mental e concentração.

 

Quando abrimos nossa mente para escutar a outra parte, nossa capacidade de compreensão se expande, ficando mais fácil identificar problemas, crises ou ainda perceber informações importantes.

 

Numa conversa onde você está receptivo, inúmeras mensagens podem ser colhidas, pois as expressões faciais e a postura também falam.

 

Ouça muito mais do que com os ouvidos, use os olhos, a mente e o coração, porque nós somos altamente sensíveis ao interesse que os outros demonstram por nós.

 

Certamente alguns dos melhores encontros que você já teve foram aqueles em que você se sentiu compreendido, onde a outra parte olhou nos seus olhos, sorriu no momento oportuno, fez gestos e perguntas que faziam sentido ao que você estava falando e deixando você à vontade para que a conversa fluísse com naturalidade.

 

Uma boa comunicação se define em quem está compreendendo melhor.

 

Isso porque, numa comunicação onde apenas se fala aleatoriamente, não há produtividade. Devemos levar em consideração que os outros merecem receber a mesma atenção e dedicação que gostamos de receber.

 

Muitas vezes, nos deixamos distrair por um problema ou algo que está sendo incômodo naquele momento e perdemos o foco – afinal todos carregamos bagagem emocional –  que interfere na capacidade de ouvir, porém como disse, ouvir requer concentração e disciplina, então é nesses momentos que devemos praticá-las, buscando de volta a atenção dispersada. Afinal se você precisa estar onde está naquele momento, procure estar por inteiro.

 

Temos também a presunção de que o que o outro vai dizer é irrelevante, mas não somos um senhor sabe tudo, por isso aquele que se dispõem a escutar coloca-se numa posição de humildade e abre possibilidades para o próprio crescimento.

 

Uma pessoa positiva sempre consegue extrair algo bom do que ouve e o mais importante, quem sabe ouvir sabe fazer boas perguntas.

 

“Quando foi que isso aconteceu?”

“Não soube nada sobre isso.”

“Tem certeza de que foi anunciado?”

 

No ambiente de trabalho, ser um bom ouvinte lhe dá credibilidade, demonstra que está atento ao que está acontecendo a sua volta, nada mais desagradável do que ganhar o rótulo de “o alienado” do escritório. Pior ainda, ser colocado de lado para execução de tarefas ou projetos importantes, porque é desatento, o que remete a um outro rótulo, o da incapacidade.

 

Já no contato com o cliente, aquele que não escuta, perde a oportunidade de ser útil ao seu cliente, num mercado que passou de ofertante para demandante, o cliente toma sua decisão em função do profissional de vendas que você é, e não com base no produto que você vende. Se você sabe ouvir, sabe agregar valor.

 

Na vida pessoal, ouvir, faz de nós bons companheiros. Uma pessoa com quem se pode contar. É respeito e cuidado com quem nos cerca.

 

Torne a comunicação produtiva para você e para os outros, o bom senso e a preocupação com as outras pessoas sempre são as melhores escolhas que podemos fazer.

 

Sou Flavia Machado Okuyama, e trabalho com Marketing de Relacionamento com o Cliente, porque acredito que as relações humanas são a peça fundamental para melhores negócios. 

Gestora da Class Marketing, uma empresa que ajuda marcas a fazerem a diferença na vida das pessoas.

Quer receber meus conteúdos? Clique aqui e não perca as novidades.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on Twitter