fbpx

Você também já se viu naqueles dias em que tem vontade de pegar a bolsa ou seus pertences bater a porta e voltar só no dia seguinte com a demissão na mão?

Pensa muitas vezes estar insatisfeito com a empresa e que tudo que mais deseja é trocar de emprego e nem passar perto do prédio onde ela fica?

Gosta do que faz, mas as vezes trabalhar nesse lugar lhe faz duvidar de que está no emprego certo?

 

Eu já passei por isso quando precisei trocar de empresa de maneira forçada, porque a empresa onde eu era feliz, faliu.

 

Mas felizmente em 15 dias já estava de emprego novo, uma empresa que estava abrindo filial aqui no Rio Grande do Sul. Parecia mais moderna, com investimentos em tecnologia, equipamentos e com um bom time montado. Com isso tudo, o que podia dar errado?

 

Pois é, deu!

 

Com uma cultura organizacional totalmente diferente de onde vinha, eu precisava me adaptar. Só que não teve jeito, passado os três meses de experiência e continuava me sentindo um peixe fora d’água, insegura em relação aos produtos e a equipe da matriz, por onde passavam todos os processo. Nos dias de reunião as paredes me sufocavam, os colegas só falavam mal da empresa, enfim cada vez foi ficando mais difícil levantar e sair pela manhã, impliquei com tudo, a mínima coisa me incomodava.

 

Em meio a tanta pressão, uma situação criada por mim mesma, seis meses depois sabe o que fiz?

Tomei a atitude que eu mesma esperava de mim, fui lá e troquei de emprego novamente.

 

Outro recomeço, cheia de gás e me sentindo segura, pois dessa vez as coisas me pareciam mais familiares, afinal minhas ex colegas que eram da equipe de vendas já estavam trabalhando lá, então teoricamente as coisas seriam mais fáceis pois já tínhamos um ritmo de trabalho que tinha sido interrompido, pela demissão.

 

Mas a nova empresa também era nova no mercado, as experientes éramos nós, não demorou muito para os problemas de fato começarem a aparecer, a ponto de que em seguida cheguei a conclusão de que a empresa anterior não era tão ruim assim.

 

E as duras penas descobri que não existem paraísos empresariais, existem problemas menores e maiores, com alguns é possível conviver, com outros é de fato se matar aos poucos, e em outros seis meses acabei saindo de mais um emprego. E nesse troca, troca, a maior prejudicada fui eu.

 

A maior lição tirada de tudo isso:

 

Antes de trocar de empresa avalie o que de fato te incomoda e jamais se esqueça de se autoavaliar.

 

Fofocas no trabalho são mesmo muito irritantes, um colega incompetente realmente é enlouquecedor, um cliente arrogante é sem dúvida desrespeitoso, mas a sua justa indignação não contribui em nada para resolver a questão, pelo contrário, só o deixa mais preso à armadilha. Embora as empresas existam por um fator comercial, elas são feitas por pessoas norteadas pelas emoções, orgulho, vaidade, enfim, são os mais variados sentimentos misturados.

 

Se deixar dominar pela raiva nunca é uma boa estratégia, e a reação normal quando alguém faz algo que nos chateia é culpar a conduta dessa pessoa, mas nunca olharmos para dentro de nós mesmos e nos questionarmos: E eu, qual minha participação nos fatos?

 

Logo recebi um presente bem sugestivo do meu marido, o livro Trabalhar com você está me Matando, afinal os meus problemas profissionais já estavam se refletindo dentro de casa. Nesse livro encontrei técnicas para a libertação de armadilhas mentais, situações onde nós mesmos nos colocamos sem perceber por muitas vezes.

 

São 4 métodos de autogerenciamento ajudam a se livrar das emoções negativas, se acalmar.

 

Libertar-se fisicamente, consiste em um momento de raiva em que está prestes a explodir, você respira de modo calmo e profundo, conta até seis. Ou ainda sai do ambiente, daquela situação e vai tomar um ar, lavar o rosto com água fria no banheiro. Mas não se deixa levar pela irritação perdendo a cabeça, afinal pessoas que não conseguem controlar seus impulsos no trabalho tendem a ser vistas como imaturas e sem capacidade de lidar sob pressão.

 

Libertar-se mentalmente, exige uma reflexão de si mesmo sob uma nova perspectiva. É difícil compreender que muitas vezes o problema somos nós e sem perceber nos fixamos em um comportamento que aos poucos pode nos destruir. Queixas frequentes, revolta, mau humor, inveja ou ainda se sentir o mártir da empresa é se tornar um vampiro emocional, pessoas altamente tóxicas e nesses casos, os que percebem se afastam a fim de evitar problemas ou ainda cair em sua armadilha.

 

Libertar-se verbalmente, requer que você exercite a habilidade de se comunicar, elogiando mais, prestando atenção em como se expressa com as pessoas. Deixando de pensar apenas em si e experimentando descobrir as qualidades boas das pessoas com quem divide seu espaço. Entenda, as empresas reúnem um grande número de pessoas heterogêneas, não se pode achar que todas agirão e pensarão da mesma maneira, seja tolerante. Com licença, por favor, obrigada, me desculpe, saber escutar e responder quando perguntado, são condutas da boa educação e respeito de limites.

 

Libertar-se usando regras, nos remete as normas e padrões que a própria empresa determina a fim de evitar confusões, ou seja, quando o assunto for relacionado única e exclusivamente ao seu trabalho, use os canais que a empresa oferece ao seu favor: relatórios, intranet, skype, e-mail profissional, avaliações de desempenho, enfim documente que sua parte está sendo feita da melhor maneira possível.

 

Mudar as atitudes não só ajuda a equilibrar as emoções no ambiente como também nos tornam pessoas melhores, mais tolerantes. Veja bem, não estou dizendo que o problema sempre somos nós, muitas vezes são as empresas sim, mas antes de chegar ao extremo analise a fundo os reais problemas.

 

O que de fato de incomoda?

Quais suas chances de crescimento e o que você está fazendo para consegui-las?

Onde quer chegar?

 

Sem objetivos e metas claras, sua carreira acaba sendo uma colcha de retalhos sem resultados satisfatórios. Sua imagem ficará com sinais de incerteza e quem está de fora tende a vê-lo como alguém perdido, apenas buscando o lugar ideal e não crescimento. Não seja imediatista, planeje sua carreira para o longo prazo, não se apegue apenas ao que te insatisfaz agora, mas reflita sobre o que impede sua carreira de deslanchar.

 

E eu vivi isso na pele, no terceiro emprego no período de um ano, meus clientes já estavam confusos, de porque não eu parava em empresa nenhuma, afinal nessa altura do campeonato quem era o problema, a eu ou as empresas?

 

Marcas fortes simplificam a escolha de um cliente na hora da tomada de decisão, todos que nos cercam são impactados com nossa transmissão de valores.

 

Agregue valor a sua marca, nunca sabemos o dia de amanhã. Quando me vi em meio a demissão inesperada, sem saber para onde correr, logo me recoloquei e fui surpreendida por muita gente no mercado que eu jamais imaginaria que me recomendariam.

 

O cliente de quem se fala mal, o colega que se despreza hoje, podem ser os hadhunters de amanhã. E de que forma você quer ser lembrado ou descrito por eles?

 

Sou Flavia Machado Okuyama, e trabalho com Marketing de Relacionamento com o Cliente, porque acredito que as relações humanas são a peça fundamental para melhores negócios. 

Gestora da Class Marketing, uma empresa que ajuda marcas a fazerem a diferença na vida das pessoas.

Quer receber meus conteúdos? Clique aqui e não perca as novidades.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on Twitter